A oitava maravilha

do blog Luís Antônio Giron

Os paulistanos andam meio chateados com o fato de São Paulo não ter um monumento para figurar entre as Sete Maravilhas do Mundo Moderno. Pior, o Cristo Redentor ganhou a eleição e agora figura entre as maiores atrações do planeta. Mas será que haveria por aqui um rival para a beleza art-déco do Cristo – sem falar do impacto da paisagem que envolve a estátua carioca? .

A mentalidade daqui sempre foi ignorar tanto os monumentos como a natureza. Existe o prazer dominante de desprezar ornamentos. Agora a feiúra virou até atração turística. O grupo Parlapatões lançou na semana passada o passeio O Pior de São Paulo. O ônibus da excursão sai da Praça Roosevelt nos fins de semana. Durante seis horas, os atores da trupe e turistas percorrem os pontos mais horrorosos de uma cidade rica nesse tipo de desatração. Não há roteiro definido. O negócio é improvisar e espantar com novos sustos. Os Parlapatões copiam a idéia de um comediante de Madri. A capital espanhola é repleta de lugares lindos é só uma graça a mais. Em São Paulo, o desafio seria o contrário: encontrar pontos bonitos. Tarefa difícil, talvez, mas não impossível.

Um dos lugares mais citados como símbolo do mau-gosto e que se tornou ponto obrigatório do tour Pior de São Paulo é a estátua de Borba Gato, em Santo Amaro. Inaugurada com “pompa” (leia-se: desfile de índios e alunos de escola) em 1963, a obra do escultor Júlio Guerra levou seis anos para ser concluída – prova de que nem sempre o esforço de um artista dá em obra-prima. Na verdade, o resultado é um monolito de cimento de 10 metros de altura, revestido com pedras de mármore e basalto. Representa o bandeirante Manoel de Borba Gato, chefe dos paulistas na Guerra dos Emboabas, contra os portugueses. Chama a atenção o aspecto tosco do vulto histórico, conhecido como “o guardião de Santo Amaro”, em posição de sentido, com chapéu e trabuco e chapéu. Deve agradar às crianças. Afinal, é uma espécie de Shrek à paulista.

Soube que os santamarenses fundaram um movimento pela candidatura de Borba Gato à Oitava Maravilha do Mundo. Isso porque a obra provoca debate. Há quem a venere como símbolo máximo do Brasil, com direito de figurar ao lado do Cristo e a cidade de Petra. Há quem a abomine. O movimento não deixa de ser corajoso. Uma coisa é certa: se houver o campeonato dos Sete Espantos do Mundo, estaremos bem representados!




*nome

*e-mail

site ou blog

comente a postagem :: tentativas de contato por comentário serão bloqueadas