Valores essencias para educação do seu filho

por AnaLou para Página da Cultura

Quando paramos para pensar na educação dos nossos filhos muitas vezes nos perguntamos: O que é essencial tranmistir para eles? Quais são os valores primordiais para educação de uma criança?

Para a psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch “Essencial é a vida (portanto, todas as formas de prevenção), o respeito á integridade de qualquer pessoa, seja criança, jovem, adulto ou idoso, o que vamos construir para o futuro (aqui entra o senso de responsabilidade, de construção, de dever) e tudo o que não nos deixe doentes )percepção das necessidades básicas de cada um e da comunidade). Para os religiosos, o essencial também é Deus. leia mais »





Exigência X Desistímulo

por Ana Lou para Página da Cultura

Você exige muito de si mesmo? Vive se cobrando, buscando a perfeição e se sente um lixo quando as coisas dão errado? Já parou para pensar que o seu perfeccionismo pode atrapalhar a vida do seu filho?

Para psicóloga e nossa colaboradora Dora LorchAlguns adultos são muito exigentes consigo mesmos, querem tudo perfeito e estendem essa cobrança para os filhos. Porém, crianças e jovens têm outras habilidades e nem sempre conseguem agir com a perfeição esperada. Cria-se aí um impasse: devemos exigir e, dessa forma, desenvolver essas características nos nossos filhos, ou devemos deixar passar? leia mais »





Respeitando o tempo de cada um

por Ana Lou para Página da Cultura

Não adianta, as pessoas não são robôs. Por mais que você fale, reforce e insista é importante ter consciência de que cada um tem o seu tempo.

Talvez por ignorar essa constatação muitos pais pecam na educação dos seus filhos. Com o anseio que eles se tornem pessoas melhores e superem suas dificuldades acabam criando grandes conflitos por pequenas bobagens.

Para psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch “Uma das maiores fontes de estresse é a tendência que muitos pais têm de querer consertar tudo de uma vez. Nem bem o filho melhora num aspecto, os pais reclamam de outro, não dando tempo do filho consolidar as mudanças conseguidas. Isso desgasta os filhos e os adultos também. leia mais »





Quando o respeito fala mais alto

por Ana Lou para Página da Cultura

Muitos pais se queixam do mau comportamento dos filhos. Mas, não percebem que muitas atitudes que eles apresentam são apenas reflexo de suas posturas dentro de casa.

Para a psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch “Se você grita sempre que fica bravo, seu filho vai pensar que é assim que ele deve agir e vai gritar sempre que ficar nervoso. Pelo menos até descobrir que existem outras maneiras de demonstrar aflição.

leia mais »





Cuidado: a regra não pode se tornar exceção!

por Ana Lou para Página da Cultura

Para educarmos bem os nossos filhos criamos ao longo do tempo um conjunto de regras com o intuito que elas nos auxiliem em situações cotidianas.

Contudo, para psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch: “ Muitas regras têm exceções. Isso inclui algumas das regras que você estabelece para seu filho. Porém, nem sempre as exceções ficam claras para ele. Ao contrário, podem até confundi-lo e fazê-lo enxergar você como alguém volúvel, que muda de ideia a torto e a direito. Por via das dúvidas, precisam ser esclarecidas. leia mais »





A importância do exemplo

por Ana Lou para Página da Cultura

Não adianta, exemplo é tudo! Você pode até dizer para o seu filho que a leitura liberta, mas se ele perceber que você é apenas mais um escravo da televisão e inimigo número um dos livros tenha plena certeza que a sua fala não irá adiantar muito!

Para psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch “ Crianças e jovens veem tudo! E aprendem mais com os exemplos do que com os discursos que ouvem dos pais. Assim, as ações e comentários que você tem estão sendo absorvidos cotidianamente pelo seu filho. leia mais »





A importância do convívio!

por Ana Lou para Página da Cultura

Não há dúvida que todos os pais querem ter com os filhos uma relação de amizade e amor mútuo. Porém, deveríamos entender que “famílias felizes” não o são por acaso. Geralmente, quase todos os membros dela possuem consciência que felicidade dá trabalho, isto é precisamos dispor de tempo para construirmos essas relações positivas!

Para Dora Lorch, psicóloga, escritora e nossa colaboradora “Convivência é fundamental na formação das crianças e jovens, especialmente se ela vier recheada de carinho atenção e conversas.

Crianças e jovens precisam de aconchego para aprender normas. Essas regras podem vir junto com as histórias de vida dos pais e avós, com experiências boas e más pelas quais eles  passaram. Regras demandam supervisão dos adultos e compreensão e diálogo sobre as dificuldades de cumpri-las, o que só é possível  quando pais e filhos convivem e conversam”

E para que seu filho se sinta motivado a cumprir as regras é fundamental que você avalie como anda o vínculo entre vocês. Para Dora Lorch, por exemplo: “… quanto mais forte o vínculo, mais o filho vai querer agradar os pais, e mais os pais saberão, reconhecer as conquistas do filho. leia mais »





O combinado não sai caro!

por Ana Lou para Página da Cultura

Conversar e estabelecer acordos com o seu filho pode ser uma boa maneira de evitar conflitos e ao mesmo tempo ensinar a ele que todas as nossas escolhas, sejam elas boas ou más, possuem consequências.

Para psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch “Um bom jeito de evitar complicação é combinar antes. Isso vale para os adultos, para as crianças e para os adolescentes.

Combine com seu filho: se você não faltar na escola, se fizer todas as lições, pode sair no final de semana.Não vale dizer que ele só sairá se tirar notas altas, porque isso é algo que ele não consegue controlar. E se, por acaso, a nota for o combinado a questão: vale colar do amigo?”

É importante também qu você cobre o combinado para que seu filho , segundo Dora para que ele “Não cresça achando que as regras e as leis não precisam ser obedecidas, e você pode evitar o problema que esse tipo de mentalidade pode criar”. Para saber mais, clique aqui.





Prateleiras Divertidas

por Ana Lou para Página da Cultura

Já falei aqui no blog da Página sobre prateleiras: que são nossas verdadeiras aliadas quando o assunto é a organização dos nossos livros.

Porém, nem sempre elas precisam ser óbvias e seguir aquele padrão tradicional.  Fazendo uma pesquisa na internet encontrei diversos modelos divertidos e selecionei para vocês duas prateleiras que dão um toque de humor na decoração da casa mesmo que abriguem livros muito sérios!

Vamos lá?

 

Com a criação do designer Samulnoli, por exemplo, seus livros sempre estarão em excelente companhia…

… já com a Disaster, do designer Victor Barish, todos seus amigos ficaram intrigados. Afinal, será que os livros a noite seguirão para um outro portal?

Espero que tenham gostado e se animem para rever os seus conceitos quando o assunto são prateleiras!

Imagens: Reproduções!





Clipping da Página

por Analou para Página da Cultura

Antigamente, depois que um autor publicava um livro, era difícil obter novidades sobre ele. Para isso, era necessário que corrêssemos atrás de algumas publicações suas em revistas literárias ou aguardássemos o lançamento do seu próximo livro.

No entanto, nos dias de hoje com o “advento” da internet, blogs e afins podemos acompanhar suas produções constantemente através dessas mesmas mídias. Por isso, hoje indicamos a leitura dos textos de dois de nossos autores e colaboradores aqui da Página: Liliane Prata e Henrique Schneider!

No blog da escritora Liliane Prata recomendamos a leitura do seu texto “Sobre pessoas simpáticas”. Nele a autora questiona se a simpatia é mais importante que o senso de justiça e/ ou caráter de uma forma bem humorada, reflexiva e leve.

Já na página do autor Henrique Schneider recomendamos a leitura no seu último conto: “Ao Mar” que começa assim:

“A praia está cheia de felicidades em grupo. A família que chegou cedo, no início da manhã, e que até agora se diverte entre banhos de mar, milho verde, protetor solar e castelos de areia; os amigos que entram na água de vez em quando, mas que mais observam a beleza das meninas passeantes do que qualquer outra coisa; as meninas que caminham pela beira da praia, mas que mais observam os olhares dos meninos do que qualquer outra coisa; os casais de namorados que não olham para ninguém, além deles mesmos; as duplas de salva-vidas, que divisam a praia sempre em seu todo.”

Para saber mais, clique aqui.

Boa Leitura!





Quantas horas do seu dia você dedica aos seus filhos?

por Ana Lou para Página da Cultura

Certamente, em algum momento na relação com o seu filho você se perguntou por que ele não presta atenção nas coisas que você diz e ensina.

No entanto, as crianças nos dias de hoje querem entender o motivo pelo qual não podem fazer determinada coisa ou agir de tal maneira. Na pressa, acabamos respondendo de forma autoritária e sem abertura para o esclarecimento de dúvidas, opiniões divergentes ou simplesmente maneiras diferentes de se comunicar como já abordamos em um post anterior.

Para a psicóloga e nossa colaboradora Dora Lorch “Crianças e jovens querem entender porque devem obedecer às ordens dos pais. Eles estão mais críticos. Só falar raramente resolve. É preciso convencê-los. Para tanto, você deve explicar ao seu filho os motivos pelos quais quer que ele siga uma instrução. Por exemplo: “Se você não me disser aonde vai, não tenho como socorrê-lo se acontecer algo mais sério” ou “Se você comer só salgadinhos e doces, seu corpo vai ficar fraco e você vai adoecer”. leia mais »